Entenda como funcionam bombas hidráulicas

O bombeamento e a transferência de fluídos é uma necessidade para a realização de diversas atividades, inclusive as industriais. De uma maneira geral, as bombas hidráulicas são equipamentos aplicados diante da necessidade de aumentar a pressão e a velocidade de escoamento em um sistema.

O que se aplica em atividades como:

  • Bombeamento de água de poços artesianos;
  • Captação de água de lençóis freáticos;
  • Drenagem de reservatórios, tanques ou até terrenos;
  • Transporte de líquidos industriais;
  • Entre outros serviços.

Muitas vezes, a água é transferida para reservatórios destinados ao armazenamento ou transporte, para isso também é preciso controlar a vazão do material, além de bloquear a saída do tanque de forma segura e eficiente.

Para isso a bomba de água e as válvulas industriais são fundamentais. Enquanto as bombas realizam a transferência, as válvulas estão focadas no controle de fluxo, nível e pressão no interior dos reservatórios.

Existem diversos modelos de bombas disponíveis no mercado, voltadas para uma ampla variedade de atividades, e um exemplo bastante procurado atualmente é a bomba de água para irrigação. Entretanto, ela se enquadra basicamente em duas mecânicas de funcionamento.

Bombas hidráulicas centrifugas e volumétricas

As bombas centrífugas, também chamadas de turbo-bombas, são equipamentos que movimentam os fluídos por meio da rotação de um eixo central. Dessa forma, promovem uma pressão de sucção que produz um fluxo de bombeamento em altas velocidades.

Trata-se de uma boa opção para bomba de água suja ou até fluidos industriais considerados limpos, em casos em que a densidade se aproxima à da água e no transporte de fluídos pouco agressivos quimicamente.

Já no caso do bombeamento de químicos em processos industriais, é comum a necessidade de bombas especiais. A presença de partículas também torna necessário um filtro. Nesses casos, as bombas volumétricas costumam ser mais utilizadas.

Por sua vez, as bombas volumétricas, também chamadas de bombas por deslocamento positivo, movimentam os fluídos por impulsão, obrigando o seu deslocamento entre os espaços determinados.

Elas costumam ser utilizadas para o bombeamento de fluidos mais viscosos, como xaropes, óleos, concreto, ou água em atividades que demandam alta pressão.

Diferenças e similaridades

As bombas volumétricas se destacam pelo fornecimento de uma carga de alta pressão nos líquidos e valores de vazão baixos, ao mesmo tempo em que tem baixo custo de operação, com menor consumo de energia em comparação com as bombas centrífugas.

As últimas possuem motor eletrico, cujo consumo se justifica pelo fornecimento de energia potencial mais energia cinética, em que a velocidade é essencial para o seu funcionamento. Também vale a pena destacar que a presença de ar influencia diretamente no seu desempenho, embora os aparelhos sejam eficientes e confiáveis.

Bombas submersíveis

As bombas submersíveis são aplicadas, especialmente, nos casos em que os equipamentos devem operar submersos no líquido a ser bombeado. São bastante utilizadas em atividades envolvendo o manejo de lençóis freáticos.

Nesses casos, a água pode ser captada e transferida para reservatórios ou cisternas para a utilização nas residências, em pequenas irrigações ou na criação de animais.

Com relação ao dimensionamento da bomba hidraulica, é feito com base nas características do líquido que será bombeado. Dentre os aspectos levados em conta estão o pH do líquido, o volume total do líquido, tipo e a presença de partículas.

Cuidados de manutenção

Alguns cuidados garantem a durabilidade e eficiência dos sistemas. A primeira dica é sempre ter uma bomba reserva para operações estritamente necessárias, possibilitando a substituição em caso de falhas. Ter peças de reposição em caso de manutenção também pode ser de grande valia.

Recomenda-se girar o eixo de todas as bombas pelo menos uma vez ao mês, ou seja, elas não devem ficar paradas por mais de 30 dias consecutivos. As válvulas de retenção, precisam ser inspecionadas com a mesma frequência, evitando contra fluxos.

O ideal é controlar o consumo de energia mês a mês e, diante de aumentos gradativos, uma dica é inspecionar todo o sistema. A quantidade e qualidade de óleo ou graxa, assim como a substituição dos fluídos lubrificantes, deve ser feita com atenção às indicações dos fabricantes das bombas hidráulicas.

Com relação às medidas de segurança, é contra indicada a operação de corpo de bomba por meio de solda. Qualquer modificação nos sistemas deve ser atestada com laudo técnico.

Além disso, operadores nunca devem deixar bombas centrífugas em funcionamento por longos períodos de tempo contra a válvula de saída fechada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *