Detalhes importantes para içamento de cargas

Um fator determinante para levantamento de cargas pesadas é a utilização de cabo de aço revestido, pois é um tipo de uma corda desenvolvida com vários arames de aço enrolados em forma de uma hélice.

A flexibilidade do produto o transforma em um componente muito importante para guindaste e elevadores, assim como na utilização em gruas e, principalmente, em elevação de cargas.

Para que sejam usados corretamente os cabos precisam ter uma construção bem estruturada para serem utilizados.

Uma carga total (carga máxima que deve ser levantada pelo aparelho somando com o peso do moitão), dividida por número de linhas que aguentam a carga, não pode passar de 20% da carga de ruptura mínima do cabo de aço.

Se o cabo for exposto em temperaturas elevadas no qual excedam 82ºC (180º F), deve ser utilizado o cabo com alma de aço independente (AACI) ou alma de aço formada por uma perna (AA).

Para substituir um cabo de aço, precisa ser utilizado o mesmo diâmetro, resistência e construção do cabo original que o fornecedor entregou ou de uma empresa qualificada.

Se o Içamento de cargas precisar de mais que uma linha de cabo, a tensão entre as linhas precisará estar uniforme.

Outro aspecto importante é que os ganchos e as manilhas devem estar dentro das especificações do fabricante e jamais devem ser sobrecarregadas.

Se os ganchos forem giratórios, deixe-os girarem livremente, além disso, eles precisam ter travas de segurança, no entanto, dependendo da situação não se é necessário ter trava, pois elas se tornam desnecessárias.

Quando for utilizada, as travas devem evitar que os laços, correntes ou outros itens escapem do gancho fora do serviço.

Para minimizar que os cabos de aço sofram algum tipo de atrito ou batida contra o aparelho é necessário ser instalados protetores, assim, amenizando possíveis danificações no cabo.

Descubra mais sobre bota de segurança

Mesmo exercendo a função de içar materiais dentro de uma obra é de extrema importância utilizar os Equipamentos de Proteção Individual (EPI), pois é uma proteção fundamental aos funcionários, assegurando a proteção contra: objetos cortantes, pregos, chão escorregadio, objetos caindo, entre outros.

Um desses equipamentos é a bota de segurança masculina e, apesar da empresa ter o dever de ceder o equipamento ao trabalhador, este, por sua vez, deve cuidar para que a bota seja conservada, higienizada e prolongando sua vida longa.

A bota de segurança também pode ser conhecida como:

  • Calçado de segurança;
  • Botina de segurança;
  • Sapato de segurança;
  • Bota borracha (para bota de PVC).

São muito usados em construções civis, cozinhas industriais, indústrias químicas, metalúrgicas e em todo lugar que possa oferecer algum tipo de risco de lesão e/ ou acidente ao trabalhador. Existem alguns modelos de bota de segurança, conheça eles.

A bota de segurança protege os pés do trabalhador contra impactos, danos térmicos, umidade e produtos químicos.

São fabricadas com material reforçado que assegura contra “topadas” e quedas de objetos, protege do frio e do quente e de ambientes molhados.

Geralmente tem um cano médio, menos que a bota de PVC e pode ser feita com cadarço ou com elástico.

O sapato de segurança é similar à bota de segurança e proporciona um mesmo nível de proteção, entretanto, sua estética é diferente.

Protege de impactos, umidade, variações térmicas e de produtos químicos. Possui cano baixo e tem uma aparência mais casual e, também, pode ter cadarço ou elástico.

A bota de PVC é ideal para ambientes que oferecem um risco leve ao trabalhador. Impede contato com a água, pois é fabricada justamente para manter os pés secos.

Pode ser conhecido como bota borracha, tem cano longo, protegendo a perna.

Quais os riscos que pode ocorrer em um transporte de cargas?

Realizar um transporte de carga não é tão simples, pois pode ter muitos riscos como roubo de cargas, por exemplo, pois quando um caminhão é interceptado e sua carga é surrupiada o prejuízo pode ser enorme à empresa.

Outro fator é com a manutenção dos veículos, pois o desalinhamento das rodas aumenta o uso dos pneus e aumenta o da gasolina.

Se o óleo da frota de caminhão não for trocado corretamente, partículas podem entrar no motor, resultando no estrago de cilindros, pistões, anéis e válvulas.

Também permite a possibilidade de o motor fundir completamente devido a negligência da manutenção. Uma solução para evitar esse tipo de problema é adotar um sistema eletrônico de manutenção.

As avarias e extravios são casos que pesam (prejuízo) a qualquer transportadora, pois podem ocasionar indenizações altas.

Outro ponto é manter a documentação em dia (CIOT, RNTRC e no Conhecimento de Transporte – CTe), pois se não estiver pode acarretar multas e apreensões dos veículos.

Então, se tiver uma transportadora de cargas fique atento aos riscos e busque soluções para evitá-los.

Em caso de dúvida, solicite a ajuda de um profissional que possa dar dicas e sanar dúvidas de como proceder o transporte de carga com segurança para o cliente e empresa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *