Informações relevantes para a escolha de mangueiras na indústria

Boa parte das pessoas associa a mangueira a um objeto de jardim, que tem como objetivo facilitar a irrigação das plantas e do gramado. Nesse caso, ela é um item simples e feita de um plástico flexível. Trata-se de um produto que não precisa dispor de nenhum reforço ou funcionalidade extra.

Este, porém, não é o único cenário durante o qual ela é usada, pois também há modelos de mangueiras com aplicações industriais. Neste contexto, sua função é realizar o transporte de fluidos, sejam eles gasosos ou líquidos, de forma a otimizar o processo e manter a segurança do local.

Por fim, também há outra função conhecida da mangueira de agua: o combate a incêndios. Instalado em posições estratégicas, ele é projetado para levar o líquido ao local onde está o foco das chamas.

Nota-se, portanto, que há diversos modelos desse item no mercado. Por conta disso, é importante que, para evitar erros, a escolha do tipo adequado a cada contexto seja feita com cuidado. Confira algumas dicas para se fazer isso a seguir:

  1. Qual o fluido a ser transportado?

Uma mangueira para ar comprimido tem características muito diferentes do que uma projetada para o transporte de água para o jardim.

Contudo, as diferenças não existem apenas entre esses modelos, pois cada um deles é projetado para lidar com as características dos fluidos transportados, tais como:

  • Líquidos inflamáveis;

  • Químicos corrosivos;

  • Fluidos sob pressão;

  • Gases.

Por conta disso, o primeiro passo para definir quais dos tipos de mangueiras disponíveis no mercado é o melhor para dada situação. A partir disso, é possível chegar as versões mais adequadas para o fluido em questão.

  1. Qual a distância que deve ser percorrida?

Todas as mangueiras têm uma extensão máxima, que pode ser mensurada e é informada pelo fabricante. Trata-se da trajetória entre o engate rápido para mangueira – ou qualquer que seja a sua peça de saída – e o orifício de saída, esteja ele livre ou conectado a outra máquina.

Como se é de imaginar, existem mangueiras dos mais diversos tamanhos no mercado, das mais longas as mais curtas, passando pelas de extensão intermediária.

Assim, também é importante determinar qual é a trajetória que tem que ser percorrida pelo item, de modo a definir qual é o porte ideal para a instalação.

  1. Ela será usada em incêndios?

Se, por um lado, a água pode ser usada para tarefas simples ou mesmo para o lazer (como no caso do esguicho), ela também é fundamental para realizar algumas atividades críticas, inclusive o combate a incêndios.

O que nem todos sabem é que, nesse caso, ela tem que ser conduzida por mangueiras projetadas especificamente para este fim, pois as de uso industrial e doméstico não dão conta da tarefa. Os modelos projetados para combater chamas são divididos nos seguintes grupos:

  • Predial;

  • Industrial;

  • Dupla capa;

  • Revestimento Externo Petrobot;

  • Revestimento Externo Rubbernyl.

Quem define os melhores usos para cada um delas e a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Contudo, em alguns casos, é possível saber qual é a melhor aplicação de cada uma apenas com o bom senso – e o caso dos tipos predial e industrial, por exemplo.

Alguns dos aspectos que variam entre elas são:

  • Pressão máxima;

  • Material de composição;

  • Locais onde podem ser usadas;

  • Material de revestimento.

  1. Qual é o valor disponível para a compra?

Normalmente, há um único modelo de mangueira indicado para cada situação. Quando se trata desse quesito, não há muita possibilidade de escolha.

Por outro lado, cada um deles costuma ser confeccionado por diversos fabricantes, o que dá uma margem de escolha para o comprador.

Assim, nessa etapa da seleção, é preciso levar em conta o orçamento disponível para a aquisição. Afinal, a diferença de valor entre marcas, bem como entre estabelecimentos comerciais, pode ser considerável.

Isso também se aplica aos acessórios utilizados junto com o item, tal como o esguicho mangueira alta pressão.

  1. Quais são os modelos adequados?

Depois de analisar todos esse aspectos, é possível saber qual é o modelo adequado para a situação em questão. Porém, é preciso ter em mente que o trabalho não acaba aí: depois da compra, é importante acompanhar o funcionamento do item, de modo a detectar eventuais defeitos.

Assim, é possível acionar a garantia do fabricante, caso seja necessário, reduzindo o impacto financeiro causado pela falha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *