Tudo o que precisa saber sobre o controle e distribuição de energia

Basicamente, a distribuição de energia consiste no procedimento final do fornecimento de energia, o qual exige um controle minucioso para a transmissão e distribuição adequada para os consumidores finais, tanto os fornecedores, quanto os consumidores contam com diferentes recursos relacionados ao controle e uso adequados deste meio.

Por essa razão, ao abordar este tema, é possível citar diferentes equipamentos e serviços. Por exemplo, o quadro de distribuição de energia é um item crucial e também é chamado de painel eletrico.

Trata-se de um elemento associado a um sistema responsável por fornecer energia e que tem como principal funcionalidade a divisão da alimentação elétrica para circuitos que são subsidiários, ou seja, por meio deste painel, a energia é captada de residências ou indústrias e é subdividida.

Cada sub circuito correspondente à subdivisão exige um disjuntor para a proteção do circuito e um fusível. Desta forma, o quadro de distribuição é constantemente associado a um painel com diversos disjuntores ligados por barramentos.

Ainda mais, há um disjuntor principal, responsável pela ramificação de diversos disjuntores menores. De forma geral, para a montagem dos quadros de distribuição é preciso observar fatores como os seguintes:

  • Independência dos componentes;
  • Identificação dos elementos;
  • Acessibilidade a cada elemento;
  • Espaço reserva.

A identificação pode ser efetuada por meio de etiquetas e placas, já a independência dos itens é para fins de avaliação da interferência prejudicial.

Uma das normas que abordam esse tipo de aplicação é a NBR 5410 e sobre o espaço reserva, que serve caso ocorra o aumento da demanda, prevê que para 6 circuitos disponíveis, o espaço mínimo para reserva dispõe de algumas possibilidades.

Neste contexto, também é interessante que exista atenção aos desligamentos frequentes, pois podem ser um sinal de sobrecarga. Por essa razão, nunca se deve trocar os fusíveis ou disjuntores por outras opções que apresentam maior corrente.

Principais aspectos dos transformadores

Basicamente, os transformadores consistem em dispositivos propícios para elevar ou diminuir o valor da tensão.

Sua constituição conta com vários elementos, sendo os principais as duas bobinas e um nicho, que é composto por um material com atributos magnéticos, enquanto as bobinas possuem números distintos de espiras isoladas eletricamente entre si.

Muitos equipamentos eletrônicos contam com transformadores, seja um elevador ou transformador abaixador.

Um grande exemplo é o transformador 110 para 220, que torna viável o uso dos equipamentos que exigem uma tensão mais elevada, evitando assim, danos ao funcionamento.

É interessante citar que no momento em que a bobina é ligada em uma fonte de corrente alternada (CA), um campo magnético variável surge em sua volta.

Quando as bobinas vão se aproximando, o campo magnético separa as espiras da segunda e resulta em uma tensão induzida nessa bobina.

Ainda mais, é importante observar que por amenizar a dispersão do campo magnético, o núcleo faz com que o secundário seja separado pelo maior número possível de linhas, alcançando assim, uma melhor transferência da energia.

No caso do elevador, o número de espiras da segunda bobina é superior do que os da primeira e no abaixador, ocorre ao contrário.

Isso se deve ao fato de que o valor da tensão que sai do transformador tem ligação direta com o número de espiras das bobinas.

Já o transformador a seco, não tem dependência de qualquer tipo de isolação a óleo ou refrigeração como determinados tipos de transformadores.

Além disso, é uma alternativa que requer baixa manutenção. Entre as principais aplicações, é possível citar indústria alimentícia, siderúrgica, farmacêutica, entre outras.

O que é um estabilizador?

O estabilizador é um item crucial para corrigir a tensão da rede elétrica em prol de proporcionar aos equipamentos, como computadores, uma fonte de alimentação mais segura e estável. Por essa razão, também protege os equipamentos contra fatores nocivos, como subtensão e sobretensão.

Além disso, existem outras vantagens relacionadas ao uso deste tipo de aparelho, como a redução de queima de equipamentos, sinalização de eventos relacionados a rede elétrica, além de também atenuar interferências e ruídos.

Conforme pode ser notado, a distribuição de energia reúne diferentes elementos a serem observados, desde o fornecimento, até a forma de consumo.

Instalações inadequadas podem comprometer totalmente o funcionamento adequado de itens que necessitam desse recurso e por esse motivo, compreender os sistemas, especificações de produtos e contar sempre com profissionais qualificados, são ações indispensáveis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *